ENTREVISTA COM O VER. CARLOS CUNHA

Por: Wilker Lima - "Sergipano"» Política - 14 de dezembro de 2017 - 18:12 - Sem Comentários
VEREADOR E PROFESSOR CARLOS CUNHA
#OPARLAMENTAR
Sergipano – Quem é o Vereador e Prof. Carlos Cunha?

CC – Iniciei na vida pública no Município de Nossa Senhora do Socorro no ano de 2001, quando fui eleito Vereador pelo PSC. Em 2004 concorri a reeleição e fui reeleito para o segundo mandado de Vereador. Também foi reeleito nas eleições municipais de 2008. Após 3(três) mandatos consecutivos, já na eleição de 2012, ainda no PSC, fiquei como primeiro suplente de vereador. Em janeiro de 2013, a convite do então Prefeito reeleito Fabio Henrique, assumi o cargo de Secretário Municipal de Educação, no qual fiquei até março de 2016, quando entreguei o cargo para concorrer às eleições municipais, e sendo eleito Vereador desta vez pelo PDT. Portanto, retornei à Casa Legislativa Municipal em 01 de Janeiro de 2017 para exercer o quarto mandato de Vereador.

Vereador Carlos Cunha (PDT) N. Sra. do Socorro

Sergipano – Quais as principais participações e/ou atuações parlamentares na câmara municipal de Socorro?
CC – Alguns momentos são marcantes, sobretudo naqueles que apresentei Emendas aos Projetos de Leis, e que desencadearam discussões entre os pares do Parlamento, por exemplo:
– Plano Diretor
– Plano de Carreira do Magistério
– Estatuto do Magistério
– Código Ambiental
– Lei Municipal que Regulamentou o Sistema de Transportes de Passageiros no Município
– Lei Municipal que efetivou os Agentes de Saúde no município
#SECRETÁRIO
Sergipano – Como foi a experiência de gerir uma secretaria tão complexa e com muitos desafios educacionais?
CC – Por um lado foi muito gratificante. Pois, apesar das dificuldades financeiras   conseguimos deixar uma séries de ações na rede municipal de educação:
Existem muitos desafios na área da educação a serem vencidos. Não é tão fácil pensar em uma educação de qualidade, se ainda estamos muitos distantes das condições básicas para o bom funcionamento da rede municipal de educação. Para vencermos os desafios, sãos necessários recursos financeiros garantidos diretamente ao comando da secretaria municipal de educação.
Sergipano – Qual foi o seu melhor projeto implantado na secretaria de educação?
CC – Todos os Projetos e as ações foram importantes. Não vejo um projeto/ação melhor que o outro.
Sergipano – Como Sec. de Educação Municipal, qual o seu conceito sobre os grêmios estudantis? incentivou a criação de grêmios?
CC – Meu conceito foi e é o de sempre: O Grêmio Estudantil é um espaço de construção de” politização” dos movimentos estudantis. As lutas pela educação pública de qualidade deve ter a participação dos estudantes, e o Grêmio tem entre outras atribuições e objetivos o de defender essa bandeira.  Infelizmente, não incentivei criação de Grêmios, mas apoiei a participação dos alunos, através dos líderes de classes, nos movimentos estudantis que ocorreram.
#LEGISLANDO
Sergipano – Como julga a atuação do executivo para o avanço da educação do município? O Legislativo por sua vez tem fiscalizado as estruturas das escolas e suas atividades educacionais?
CC – Nenhum gestor municipal conseguirá avançar na ampliação e melhoria da educação do município, se não contar com o apoio financeiro direto dos governos Federal e Estadual. As demandas educacionais para atender uma educação de qualidade e que atenda aos anseios dos munícipes socorrenses, são grandes. Existem localidades que ainda precisam de escolas municipais. Sem falar das creches que de acordo com a Constituição Federal é obrigação dos municípios ofertarem. E neste caso, tem-se que pensar também no aumento dos recursos humanos e financeiros para a manutenção da rede, sobretudo do quadro de professores. Quanto ao papel do Legislativo, este vem fiscalizando e cobrando do executivo, através das apresentações de Indicações, providencias devidas.
Sergipano – De todas as suas legislaturas, qual o maior projeto de lei de sua autoria aprovado em prol dos Socorrenses?
CC – Acredito que as emendas apresentadas ao Projeto de Lei que regulamentou o sistema de transportes coletivo, foram de grande valia, pois, vejo que regulamentou o transporte alternativo de taxi especial (lotação) no município, e com anuência do Ministério Público Estadual e da SMTT de Aracaju, a garantia do direito de ir e vir sem ter que os passageiros se humilhassem em descer antes das pontes e fazerem a travessia a pé como se fossem refugiados ou clandestinos.
Sergipano – Como avalia o executivo e legislativo no tocante da LAI (LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO)?
CC – A Lei de Acesso a Informação é um direito do cidadão. A Lei estabelece os meios legais que os poderes e seus gestores devem da publicidade, como por exemplo, o Portal da Transparência.
Sergipano – Qual a sugestão do poder legislativo ao executivo para melhorar a segurança pública do município?
CC – No primeiro semestre deste ano o Poder Legislativo Municipal, realizou Audiência Pública no Plenário da Câmara de Vereadores, contando com as presenças de representantes da SSP, do Comandante do 5º BPM, Comandante da GM/Socorro, Superintendente da SMTT/Socorro, lideranças comunitárias. Na ocasião elaboramos um documento intitulado Carta de Socorro a qual foi entregue, posteriormente, por uma Comissão de Vereadores diretamente ao Secretário de Estado da Segurança Pública. Na Carta de Socorro, contam várias reinvindicações tanto ao Prefeito Municipal como ao Governo do Estado para melhoria da Segurança Pública no nosso município, dentre elas: reaberturas dos PACs- Postos de Atendimento ao Cidadão, reabertura e reinstalação da Cia. de Polícia no Conj. Albano Franco, instalação de uma unidade do GETAM no município, aumento do efetivo de policias do 5º BPM, instalação do Gabinete de Gestão, entre outras.
Sergipano – Quais as principais reivindicações da população, quando procuram o legislativo, em especial o senhor, vereador?
CC – EMPREGO. Lamentavelmente.
#OPINIÃO
Sergipano – O vereador concorda com a frase “Socorro está órfã de deputado estadual”, já que o atual prefeito (Inaldo Luiz), antes deputado, assumiu a prefeitura e a deputada (Silvia) transferiu seu título eleitoral para a cidade de Aracaju após ser eleita em 2014?
CC– O fato de votar ou não votar no município não garante a responsabilidade e compromisso que um Deputado Estadual terá ou não com o município. De acordo com a Constituição Federal, todos são representantes e devem defender os interesses coletivos de todas as unidades federativas. Claro que se temos o representante próprio, isso dará um peso maior ao município.
Sergipano – Como um formador de opinião popular. Você acredita que um dia a política, pode SIM, ser uma excelente ferramenta de transformação social?
CC – Acredito claramente. Todas as mazelas que vem acontecendo no meio político brasileiro em geral, deve no mínimo servir de reflexão para a sociedade brasileira no ato de escolher os seus representantes, seja Presidente da República, Senadores, Deputados Federais, Governadores, Deputados estaduais, Prefeitos e Vereadores. A mudança quem promove é o povo. Jamais a sociedade pode ficar alheia à política. A sociedade, pode não participar da vida partidária, mas se manifestar nas tomadas de decisões, isso é fundamental. Vivemos em uma sociedade organizada, sob o comando do Estado de Poder, portanto, a participação, as críticas fundamentadas, as cobranças corretas, a fiscalização diária, os movimentos sociais, são os meios e direitos das pessoas manifestarem e opinaram contra ou a favor da construção de uma sociedade sempre mais justa.
Sergipano – Qual é a sua análise sobre o pleito vindouro de 2018 no executivo estadual?
CC – Infelizmente ainda não tenho opinião formada sobre esse assunto.
Sergipano – Lamentavelmente Socorro sofreu a perda de dois vereadores, Jairo Joaquim e recentemente Cido Capunga. Como eles atuavam no parlamento?
CC – Atuavam dentro do seu papel enquanto legisladores. Cabe ao Vereador, legislar (elaborar leis), embora não podendo apresentar leis que criem despesas para o Executivo. Neste caso, cabe apresentar apenas Indicações. E outra função do Vereador é de fiscalizar o executivo, acompanhando os gastos públicos e execuções das ações.
Por: Wilker Lima – J79

Deixe seu comentário!

Para: ENTREVISTA COM O VER. CARLOS CUNHA