”Temos um presidente que segue tutelado pelo diretor de futebol”, Gilson Prado

Por: Folha de Sergipe - Esporte - 9 de Fevereiro de 2018 - 11:28 - Sem Comentários

O amadorismo continua?

Esta semana, após novamente meu amado clube decepcionar e continuar sem nenhuma vitória em 2018, escrevi no facebook, bem como também em um grupo fechado de 30 amigos sócio torcedores. Relatei as minhas críticas sobre algo que é público e notório e que se aplicam pela pífia campanha até o momento. Em função disso fui chamado de oportunista e mentiroso pelo senhor Hyago França, que se utilizou da imprensa para isso. Pois bem, sobre isto vamos aos fatos.

 

De início fica claro que Hyago França apresenta limitação de compreensão sobre o que é ser oportunista. Afinal, o conceito se aplica para “ Quem se aproveita dos outros ou que tira, sempre que possível, vantagens pessoais”. Qual benefício ou vantagem pessoal estou tirando com a situação que o clube está passando? Cabe um pouco mais de leitura para o uso adequado da palavra em público. Aliás, ao público, ele poderia não buscar transferir o próprio adjetivo de mentiroso.

 

É necessário relatar que minhas opiniões, contrárias ao rumo da gestão em prática na ADC, são manifestadas em público e no referido grupo de whats zap desde 2016 e, que o próprio Hyago saiu do grupo pois não respondia aos questionamentos lá feitos, o que desqualifica ainda mais a alegação de “oportunidade”. Pois estas são apenas cobranças que Hyago tentou mudar o foco mas não resolveu os problemas que resultam na destacada campanha. Essa é uma cobrança de toda a torcida, não apenas minha.

 

Como o momento é de oportunidade aproveito para reiterar, pela primeira vez através da imprensa, alguns fatos que motivaram o meu afastamento da vice-presidência do clube.

 

Para tal é preciso rememorar que em 2016 o então vice-presidente financeiro do clube (HYAGO FRANÇA) o abandonou nos piores momentos, a exemplo da iminente queda de divisão no brasileiro.

 

O clube permaneceu em 2016 graças um grande esforço e dedicação toda apaixonada torcida proletária, de Milton Dantas, de Ernando Rodrigues e – sem falsa modéstia – de Gilson Prado Júnior. Nós organizamos campanha até pela imprensa e resolvemos a situação. Na época eu era sócio torcedor e até parte dos salários paguei para os jogadores entrarem em campo no dia do jogo contra o Salgueiro.

Onde estava Hyago França em momento crucial?

 

Se você assumiu função de boneco fantoche na gestão anterior 2014 a 2016, sinceramente não tenho essa predisposição.

 

Hoje o senhor tenta se desvincular da gestão passada, talvez porque seja difícil explicar para a torcida a dívida INCALCULÁVEL no âmbito fiscal, tributário e principalmente trabalhista gerados na gestão que você foi Vice presidente. Isso é público, basta consultar o site do Tribunal de Justiça veremos o que os contratos da gestão passada resultaram. Pergunto, esses processos contra o clube são oportunistas ou são resultado de contratos descumpridos pela gestão Hyago? Havia a necessidade de tantas contratações malfeitas?

 

Sempre propus planejamento e transparência. No momento da pré-temporada de 2017, simplesmente as contratações dos jogadores foram firmadas sem meu aval. Assim os salários e duração dos contratos dos jogadores, contatos de moradia e demais despesas do clube não chegavam ao Vice-presidente. Bem como também sem a ciência do conselho. Solicitei no conselho de Administração o afastamento do diretor de Futebol, ficou combinado isso na reunião, infelizmente até hoje o presidente não cumpriu com a palavra.

 

É válido ressaltar que permaneço no cargo pois não renunciei e fui eleito pelo voto da torcida proletária. Estou afastado pois proponho e pratico gestão com transparência e, de fato, isso ainda não temos. Até hoje nas redes sociais a última publicação foi em 21/06/2017 referente ao mês de maio. Na verdade, uma tentativa de prestação de contas pois naquela há um quadro de parte das receitas dos sócios torcedores, faltando a receita com as rendas dos jogos, patrocinadores, royalties, doações e etc. também um criterioso demonstrativo das despesas pois nem o conselho tem documentados os gastos como determina o estatuto.

 

Há de se verificar pelo presidente do conselho – que há muito tempo este descumpre o estatuto do clube. Pergunto a todos: Houve aprovação da gerência do clube nas vendas dos produtos dentro do Baptistão? Isso foi aprovado pelo conselho? Não há ata que autorize porque não querem discutir qual receita / despesa do clube.

 

É sui generis para todos nós verdadeiros torcedores termos um presidente que segue tutelado pelo diretor de futebol que a ampla maioria da torcida rejeita. Que ao invés de trabalhar pela Associação Desportiva Confiança no sentido de mudar o cenário vexatório em que se encontra, fica propondo disputa eleitoral para 2019.

 

Isso denota o real interesse que se tem no clube. Contudo, aceito o debate estéril sobre ser ou não torcedor da ADC. Desde 1994 acompanho meu amado clube nas arquibancadas. Talvez o senhor não possa confirmar isso pois tinha 2 anos e não costuma ir a arquibancadas. Mas, quem me conhece confirma isso. Entretanto, não fui em que em 2009 fui administrar junto com Ernando Rodrigues, um time chamado River Plate- CARMÓPOLIS –  diga-se de passagem um genérico de péssimo gosto inclusive na cor vermelha da camisa, lembrando que em 2010 e 2011 tirou da ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA CONFIANÇA os títulos de Campeão Sergipano.

 

Continuo vice-presidente, afastado para cuidar de assuntos de foro pessoal, porém propositivo, proativo e crítico sempre que necessário for. Afinal, mesmo afastado – por enquanto – continuo sendo sócio torcedor adimplente e assim como todos os torcedores da ADC contribuo para o clube que é da Torcida Proletária. Ainda não é instituição privada.

 

Para a consecução do fortalecimento do clube, pagamento das dívidas trabalhistas que vocês têm provocado, atrair parcerias e patrocinadores e consequente profissionalização, reitero, basta cumprir as obrigações conforme o estatuto do clube determina.

 

Aracaju, 26 de Janeiro 2018.

 

Gilson Prado B. Junior

Deixe seu comentário!

Para: ”Temos um presidente que segue tutelado pelo diretor de futebol”, Gilson Prado